becoming

/ terça-feira, maio 19, 2020 /
Logo eu, que não sou fã de biografia - muito menos de autobiografias -, caí nessa aí. E um tombo nunca valeu tão à pena.


Becoming descreve muito sobre ela, sobre sua perspectiva não só como a 46.ª primeira-dama dos Estados Unidos, mas como mãe, mulher, negra, filha, irmã e ser humano em construção.

E depois de me encantar ainda mais com Michele, Netflix me fez o favor de lançar o documentário. Então, assim, a sequência é livro e documentário, ok? Ok.