a espera

/ quarta-feira, fevereiro 19, 2014 /
Hoje eu estava irritada quando, atrasada, peguei um ônibus pra faculdade. Sentei na frente, já sofrendo por saber que iria pegar a "Sra. Fila" na secretaria da faculdade...

O motorista do ônibus puxou papo, até parecia ler meus pensamentos quando perguntou se estava indo resolver alguma coisa na faculdade. Começamos a conversar e logo me esqueci de sofrer por antecedência. Ele falava do orgulho que tinha com os filhos, que acordavam cedo e passavam o dia fora de casa, estudando em período integral, a fim de conseguirem uma bolsa de estudo. Não sei como chegamos nesse assunto, mas sei que aquilo o fizera transbordar de orgulho e satisfação. Me contagiou. Falamos também sobre as profissões de "hoje em dia", e ele me dizia o que fizera por um bom tempo de sua vida: era técnico de refrigerador. Me explicou como trabalhava, com uma riqueza de detalhes (e emoções) tão grande, que nem a Wikipedia não é capaz de descrever. Ele cumprimentava alegremente todos os passageiros, e pude contar nos dedos àqueles que retribuíram com o mesmo entusiasmo. Até que entrou uma senhora que, gentilmente, deu-lhe uma pêra. O motorista agradeceu, surpreso e, com os olhos marejados, me disse: É POR ISSO QUE AMO O QUE FAÇO.

Mal sabe ele o quanto sua humildade e aquele papo me fizeram sentir [bem] melhor.


1 COMENTÁRIOS:

{ Letícia } on: 25 de julho de 2014 17:01 disse...

Que lindo!! <3 Parece até o motorista do ônibus que pego todos os dias de manhã. Cobrador e motorista sempre educados e solicitos. No começo estranhei tamanha alegria que trabalhavam TODOS os dias, engraçado, já que a alegria e educação deveriam fazer parte do nosso cotidiano. Sempre digo, se estiver tirste, pegue o ônibus Burle Marx linha 264 as 09:00 horas e seja feliz. hahahahahhahha

Postar um comentário